Archichroma (new Romanticism to somber times)

Dir: Pedro França
Mostra: Não acredito em nenhum Deus que não saiba dançar
17' . 2017 . SP

Sinopse

Um sonho diurno, de estrutura precária, no qual um fantasma delirante e absurdo possui o prefeito de São Paulo, fazendo-lhe dizer palavras de um monstro. Aludindo em seu título aos efeitos de chroma key, à arquitetura utópica dos anos 1960, e ainda à ideia que estava na origem no romantismo, segundo a qual a arte poderia ser uma estratégia para responder a tempos conservadores, o filme é uma homenagem a Alexandre Bernardes, falecido em 2016. Alexandre foi ator e fundador do Cia Teatral Ueinzz, um grupo composto e dirigido por pacientes da saúde mental.

Classificação 16 anos

Exibição: 18 de novembro às 17h

Ficha técnica

Pedro França
/ Produção executiva

Pedro França
/ Produção

Pedro França, Cia Teatral Ueinzz
/ Fotografia

Pedro França, Pêu Ribeiro
/ Som

Pedro França
/ Montagem

Pedro França, Pêu Ribeiro
/ Edição de som

Alexandre Bernardes, Cia Teatral Teinzz (Adélia Faustino, Alexandre Bernardes, Ana Carmen del Collado, Ana Goldenstein, Amélia Monteiro de Melo, Arthur Amador, Carlos André Balthazar, Eduardo Lettiere, Erika Inforsato, Jayme Valarelli Menezes, Leo Lui Cavalcanti, Luiz Guilherme Ribeiro Cunha, Onés Antônio Cervelin, Paula Francisquetti, Pedro França, Peter Pal Pelbart, Rodrigo Sano Calazans, Simone Mina, Valéria Manzalli)
/ Elenco

Festivais e Prêmios

  • Estreia em festivais

mail.pedrofranca@gmail.com
/ CONTATO

Pedro França

Nasceu em 1984, é artista e membro da Cia Teatral Ueinzz. Professor de teoria e história da arte no MAM-SP e no Instituto Tomie Ohtake (SP). Trabalhou como curador da programação de filmes, performances e debates dos Terreiros, dentro da 29a Bienal de São Paulo. Tem trabalhado com desenhos, filmes e instalações, realizando exposições como  Frestas (Trienal SESC,  2017), Lugares do delírio (MAR, 2017),  Agora somos mais de mil (EAV Parque Lage, 2016) e Arte Atual Festival (Instituto Tomie Ohtake, 2015).  Foi indicado ao prêmio PIPA em 2016 e 2017.