Era uma vez Brasília

Dir: ADIRLEY QUEIRÓS
Mostra: Competitiva
100' . 2017 . DF

Sinopse

Em 1959, o agente intergaláctico WA4 é preso por fazer um loteamento ilegal e é lançado no espaço. Recebe uma missão: vir para a Terra e matar o presidente da República, Juscelino Kubitschek, no dia da inauguração de Brasília. Sua nave perde-se no tempo e aterrissa em 2016 em Ceilândia, cidade satélite de Brasília.Essa é a versão contada por Marquim do Tropa, ator e abduzido. Só Andréia, a rainha do pós-guerra, poderá ajudá-los a montar o exército para matar os monstros que habitam o Congresso Nacional.

Este é um documentário gravado no ano 0 P.G. (Pós Golpe), no Distrito Federal e região.

Classificação 14 anos

Exibição: 18 de novembro às 21h30

Ficha técnica

CINCO DA NORTE
/ Companhia produtora

SIMONE QUEIROZ
/ Produção executiva

ADIRLEY QUEIRÓS
/ Produção

ADIRLEY QUEIRÓS
/ Roteiro

JOANA PIMENTA
/ Fotografia

FRANCISCO CRAESMEYER
/ Som

DENISE VIEIRA
/ Direção de arte

ADIRLEY QUEIRÓS, FRED BENEVIDES, GUILE MARTINS
/ Montagem

GUILE MARTINS, FERNANDO HENNA, DANIEL TURIM, FRANCISCO CRAESMEYER
/ Edição de som

W4- WELLINGTON ABREU, ANDRÉIA VIEIRA, MRQUIM DO TROPA, FRANKLIN FERREIRA
/ Elenco

Festivais e Prêmios

  • Menção especial do júri / Special Mention of Juri – Festival de Locarno 2017
  • Melhor direção, fotografia e som / Best director, cinematographer and sound - Festival de Brasília 2017
  • Festival de Hamburgo

cincodanorte@gmail.com
61-3039-4113
61-98305-2893
/ CONTATO

ADIRLEY QUEIRÓS

Vive na Ceilândia desde 1978. É ex-jogador de futebol e graduado em Cinema pela UnB (Universidade de Brasília). Dirigiu e produziu curtas como Rap, o canto da Ceilândia (2005) e Dias de greve (2009); longas como A cidade é uma só? (melhor filme pelo júri da crítica em Tiradentes 2011). Por Branco sai, preto fica (2015) recebeu o Candango de melhor filme no Festival de Brasília, além prêmios em festivais como Mar del Plata, Ficunam e Viennale.