DEBATE 16 – GENEALOGIA MONSTRUOSA DAS IMAGENS

Exibição

08 de dezembro de 2020 às 20h

Sobre

Essa semana tomaremos como ponto de partida os curtas Obatala Film, de Sebastian Wiedemann, e Vazios Habitados, realizado pelo Duo Strangloscope em parceria com Felipe Vernizzi e Rodrigo Ramos. Focaremos em questões referentes aos processos criativos peculiares de cada obra, que de maneiras diferentes subvertem hierarquias convencionais na relação entre som e imagem no cinema.
Em Obatala imergimos em um ritual Iorubá ao longo dos 7 minutos de sua banda sonora enquanto são projetados estilhaços de imagens escuras cujos feixes de luz aos poucos vão se organizando na retina, compondo o filme entre lacunas nunca reveladas enquanto um todo. Já Vazios Habitados, realizado a partir de um processo de residência artística cujo objetivo era criar uma instalação audio/visual no interior de uma gruta, somos jogados abruptamente ao filme através de uma câmera subjetiva que mais parece o olhar de uma serpente rastejando na caatinga. Aqui novamente a atmosfera imersiva do som nos conduz entre imagens imprecisas que aos poucos vão se conectando e criando sentido. É então entre as camadas sonoras e visuais extremas dessas duas peças de cinema experimental que conduziremos mais um encontro semanal com o cinema contemporâneo brasileiro.

Debatedores

Sebastian Wiedemann - Obatala Film

Cineasta experimental colombiano residente no Brasil, exibiu seus filmes em galerias, museus e festivais nas Américas, Europa e Ásia. Seu filme “Obatala Film” ganhou o Prêmio do Júri no Curta 8 – Festival Internacional de Cinema Super 8 de Curitiba (2019), no SuperOff Film Festival (2019), na Mostra do Filme Livre (2020) e no Festival Forumdoc.BH (2020). Sua obra já recebeu mostras retrospectivas no Brasil, Colômbia, Espanha e Irlanda.

Rafael Schlichting e Cláudia Cárdenas - Vazios Habitados

O Duo Strangloscope trabalha com vídeo e cine experimental em todas as bitolas e formatos e tipos de projeção, da sala de cinema à instalação, da moldura digital da exposição na galeria a performance com diferentes projetores de 35mm, Super8 e 16mm.

Rodrigo Ramos - Vazios Habitados

Formado em Cinema pela UFSC, com mobilidade acadêmica na UFF. Diretor do filme “As Ruas e o Tempo” (Ganhador do Funcine de 2013), atua principalmente como artista sonoro em filmes como: Angelus Novus (2015) e Vazios Habitados (2018), ambos em parceria com Duo Strangloscope.
Sua prática artística envolve diversas áreas distintas. Dança: Trilha Sonora em Anatomía y Estrategia (Natalha Fernandes, 2016) e Lamúria (Marcela Trevizan/Zilá Muniz, 2019); Teatro: performer e sonoplasta do ERRO Grupo de teatro desde 2012 e diretor do espetáculo Projeções (2018); Música: compositor na banda de post-rock Grize e membro fundador do R.I.S.C.O (Reunião Inusitada de Som, Computadores e Outros). Artes Visuais: criador do Espelho Sonoro (vencedor do edital Elisabete Anderle de Artes Visuais de 2014 e 2019), expondo-o em diversos festivais: Bienal Internacional de Arte Digital – Oi Futuro/Rio de Janeiro e Casa do Baile/Belo Horizonte; MIS-SC; Conferência Internacional de Pesquisa em Sonoridades – UFSC, Ciclo de Música Contemporânea – Salvador. Criador do projeto À Deriva Sonora, mapeamento sonoro e intervenções sonoras realizadas em Florianópolis, Chapada da Diamantina, Criciúma, Nova York e em Boston, teve a exposição de suas obras em O Sítio – Arte e Tecnologia (Agosto 2019), no qual reside sua última obra Roduchamp, instalação interativa a partir da obra Roda de Bicicleta (1913) e Anemic Cinema (1926) de Marcel Duchamp.

Felipe Vernizzi - Vazios Habitados

Fotógrafo e cineasta. Autor dos filmes “Noturna”, “Linha do Mar” e “Noite Clara”. Na fotografia desenvolve há mais de 15 anos ensaios sobre a natureza.

Gabraz Sanna - Cineasta, fotógrafo e montador

Cineasta, fotógrafo e montador. Ao longo dos anos realizou cerca de 15 filmes que transitam entre o documentário e o experimental, além de ter colaborado em vários outros nas mais diversas funções. Vive e trabalha primordialmente entre Rio e Belo Horizonte