DEBATE 32 – RAÍZES SUSPENSAS

Exibição

18 de maio de 2021 às 20h

Sobre

Stéphanie Moreira (MAPA AO TESOURO); Rodrigo Sena (A TRADICIONAL FAMÍLIA BRASILEIRA KATU); Luiz Katu (pedagogo, professor indígena). Mediação: Rosy Nascimento (curador e realizador)

Debatedores

Stéphanie Moreira (MAPA AO TESOURO)

Mulher preta e mãe, macumbeira, militante do movimento negro, capoeirista angoleira. Brotei do chão no agreste potyguar. Poeta, tenho insistido em não perder novamente minha voz. Escura demais, arredia, digo verdades desafinadas, minha música não sei por onde anda, mesmo assim eu danço. Performer, meu corpo fala nas ruas, no mato, nas encruzilhadas, sobre as proibições que pesam sobre os corpos de mulheres negras. Também antropóloga, trabalho sobre a criação de memórias por populações subalternizadas no Brasil.

Rodrigo Sena

Fotógrafo e realizador audiovisual, permaneceu no fotojornalismo durante 10 anos, participou de residência artística em Montevidéo (URUGUAI) Iberescena em 2013, Residência Artistica em Cochabamba (Bolivia) em 2014. Realizou premiados curtas como O Menino do dente de Ouro (2015), filme vencedor da Mostra de Gostoso, RN; Cuscuz Peitinho (2017), premiado no Festival de Cinema de Vitoria, ES; A Tradicional Familia Brasileira Katu (2020), filme premiado no Festival de Cinema de Brasilia. Atualmente Rodrigo Sena finaliza Encantarias, série de TV que retrata religiões de matriz afro-indígenas e desenvolve seu primeiro longa metragem. Iniciou sua pesquisa no universo das religiões afro-indígenas em 2003 e mantém sua aproximação e estudos até os dias de hoje. Tendo este objeto como ponto de partida para a execução de alguns de seus filmes Rodrigo Sena amplia sua realização com a criação do Cine Terreiro, um festival de cinema que aborda temas ligados ao sagrado. Também desenvolve projetos por meio da sua produtora Ori Audiovisual.

Luiz Katu (pedagogo, professor indígena)

Cacique potiguara da aldeia entre Goianinha e Canguaretama. Pedagogo, professor indígena, pós graduando em Etnogenese indígena pela FAVENI.

Rosy Nascimento (Curadoria)

Bacharel em Comunicação Social – Audiovisual (UFRN). Cursa o Técnico Subsequente em Eventos (IFRN). É bolsista da Formação Curatorial (Semana de Cinema | Instituto Moreira Salles). Constrói o coletivo de cinema negro potiguar Mulungu Audiovisual. Está na Coordenação Geral e Curadoria da Macambira – Mostra de Cinema de Realizadoras. Integrou a equipe de curadoria do Festival Urbanocine 2020. Dirigiu e roteirizou o filme-ensaio Te guardo no bolso da saudade” (Mulungu Audiovisual, 2021), o curta-metragem “Asfixia” (70 Olhares Sobre Direitos Humanos, 2020), e coroteirizou o curta-metragem “Em Reforma” (Caboré Audiovisual, 2019). É autore de Desvio (Editora Nua, 2018). No cinema, atua nas artimanhas da curadoria, roteiro, direção, produção e som direto.