DEBATE 8 – MEMÓRIAS E IMAGENS DE UM FUTURO

Exibição

13 de outubro de 2020 às 20h

Sobre

TRAVESSIA, curta de Safira Moreira, exibido na Semana de n o 9, traz uma
poderosa reflexão e abre um grande campo investigativo, por onde a própria Safira seguiu se aventurando em sua recente série OLHARES NEGROS. No filme, ela coloca em questão a rarefação das imagens fotográficas de famílias negras brasileiras, assim como a estrutura atávica de poder que muitas dessas poucas imagens revelam. O racismo e a perversa desigualdade da república brasileira produziram classes distintas de cidadãos, algo que se reflete em muitos lugares e
também no seu acesso aos meios de produção de imagens, e, por consequência, na produção simbólica de uma imagem de país. Para uma parte da sociedade brasileira, a abundância de imagens de um passado familiar, espalhadas em baús e álbuns empoeirados, é mais um entre tantos privilégios naturalizados.
A sessão se complementa com BONDE, dirigido por Asaph Luccas e produzido pelo Gleba do Pêssego, um coletivo formado por realizadores LGBTI + de diferentes periferias da Grande SP. O filme é representativo da exuberante produção contemporânea que vem das periferias brasileiras com apetite para ocupar um lugar cada vez mais central. Filmes provocadores que colocam em xeque as identidades estabelecidas e confrontam aquelas mesmas estruturas de poder. Em lugar de querer estabelecer uma espécie de gênero do filme de periferia, ou “de quebrada”, buscamos aqui olhar justamente para a diversidade de linguagem, códigos e influências encontrados nessas produções.
Se hoje, os meios de produção de imagem já não são um privilégio de classe social, os mecanismos de invisibilização, por outro lado, também se sofisticaram, levando a luta para novas arenas.
Para esse debate, com mediação de Zeca Ferreira, teremos a presença do
diretor de BONDE, Asaph Luccas, da fotógrafa, atriz e escritora, Thais Ayomide e da produtora cultural e pesquisadora da Casa Fluminense, Taty Maria.

Debatedores

Asaph Luccas - Bonde

Artista multidisciplinar LGBTI+ negre que cresceu na periferia da Zona Leste de São Paulo. Membro do Coletivo Gleba do Pêssego, co-dirigiu e roterizou os curta-metragens Translúcidos (2015) e Menarca (2017), além de realizar o média- metragem Negritudes Brasileiras (2018). Bonde (2019) é o seu terceiro curta- metragem, e primeiro assinando a direção solo.

Thais Ayomide - Fotógrafa, atriz e escritora

Graduada em Bacharelado em Dança pela UFRJ, atriz, fotógrafa, poetisa, direciona seus estudos para negritude em várias frentes que atua, exaltando a figura da mulher negra e nossas construções ancestrais de matrizes africanas. Idealizadora e intérprete do Espetáculo Memórias de Uma Maré Cheia, membro do Ilá Coletivo, membro do Imagens do Povo, preparadora corporal e atriz do Coletivo Bèkoos: Caminhos da Negritude, intérprete criadora do Coletivo Antepassados de Cor, co fundadora do Studio Mariwo, co fundadora do Slam Maré Cheia, integrante e pensadora do Coletivo Fotógrafxs Negrxs.

Taty Maria - Produtora cultural

Produtora cultural e assessora de projetos da Casa Fluminense

Zeca Ferreira - Cineasta e Curador

Tem formação em História na UNICAMP e mestrado em cinema pela ECA/USP. Desde 2001 trabalha com cinema e audiovisual, tendo feito assistência de direção e produção para diretores como Nelson Pereira dos Santos, Maria Augusta Ramos, Hugo Carvana, Miguel Faria Jr, José Mariani, entre outros. Desde 2009, dirige e escreve seus próprios projetos de curtas-metragens e documentários, acumulando mais de 30 prêmios e tendo seus filmes exibidos em festivais por todo o mundo. Em 2018, escreve o argumento da série “O Maestro”, contemplada em edital de desenvolvimento de projetos do FSA/ANCINE e em negociação com canais de TV. Desenvolve ainda a série “Operação Hashtag” (TVa2/Boccato Produções), em co-direção com Eduardo Valente. Nesse momento, prepara o lançamento de seu primeiro longa-metragem, “Noites de alface”, com Marieta Severo, Everaldo Pontes, João Pedro Zappa e grande elenco.Desde 2017, coordena o curso livre de documentário na Academia Internacional de Cinema – RJ.