Filme de domingo

28' | 2020 | SP

Sinopse
Domingo de sol na quebrada. Um tio babão, uma mãe zika, uma criança
artista.
Classificação etária – livre

Exibição
18/08 a 25/08

Ficha técnica(Informações mínimas)

/ Companhia produtora:
Zicaa; Ayni Studios; Astúcia filmes

/ Produção executiva:
Adriano Araújo, Francineide Bandeira, Lincoln Péricles, Ronaldo Dimer

/ Roteiro:
Adriano Araújo, Francineide Bandeira, Lincoln Péricles

/ Fotografia:
Lincoln Péricles, Ronaldo Dimer

/ Som:
Lincoln Péricles

/ Direção de arte:
Francineide Bandeira,, Lincoln Péricles

/ Figurino:
Francineide Bandeira, Lincoln Péricles

/ Montagem:
Lincoln Péricles

/ Mixagem:
Lincoln Péricles

Festivais e prêmios

/ Contato: astuciafilmes@gmail.com

AJUDA NA VAQUINHA

Salve!

Estamos estreando na internet nosso filme, chamado “Filme de Domingo”, feito na nossa quebrada de forma completamente autônoma, sem apoio financeiro do estado ou qualquer empresa. Numa situação normal nós conseguiríamos passar o chapéu nas sessões presenciais ou circular em espaços culturais para recuperar o dinheiro que investimos.
Infelizmente, somos parte da triste estatística do descaso do governo que estão sofrendo nas favelas e periferias os efeitos da Covid-19, e estamos sobrevivendo do auxílio emergencial e encontrando dificuldades para encontrar trabalho, além de lidar com pessoas próximas contraindo o vírus.
Se puderem nos ajudar com doações, agradecemos!Contas para depósito:
Ronaldo Dimer – CPF: 006.990.400-60
Banco260 – Nu Pagamentos S.A
Agência: 0001 / Conta: 7194902-3Francineide Bandeira Isaú – CPF: 470.624.098-04
Banco do Brasil
Agência:4302-8 / Conta:22467-7PayPal: astuciafilmes@gmail.com

 

MAKING OF

Duda filmando, bastidores Filme de Domingo

Gravando com o Coletivo Rango de Classe:

Ensaio do filme “Monólogo da Fome”, dirigido com Dogum:

 

Curiosidades

Filme de Domingo foi gravado e montado inteiramente na Cohab Adventista, antigamente conhecido como “Favela Vermelha”, local onde o diretor Lincoln Péricles mora desde que nasceu, e seus pais sendo da primeira leva de moradores da região, que como outras pessoas pretas e indígenas que residem lá, vieram de diversos locais do país para a região periférica da cidade de São Paulo. O bairro, é resultado de diversas ocupações de moradia, tendo em grande parte sido construído pela mão das pessoas que lá residem, que se organizaram em mutirões e conseguiram seus direitos através da luta. As mulheres, especialmente, têm uma função essencial na construção do bairro, já que lideravam os mutirões e trabalhavam mais tempo nas obras que os homens, que iam ao trabalho fora do bairro enquanto, por conta de uma estrutura familiar machista, elas ficavam trabalhando no lar, o que, naquele momento significou “trabalhar na obra para ter um lar” como dizem algumas delas. Até hoje a região carrega em suas esquinas os nomes em homenagem a luta por moradia, tendo ruas como “Rua dos Mutirantes”, “Ruas dos movimentos” em seu nome.  Atualmente, existem outras ocupações de moradias atuantes no bairro.

É o 15° filme do cineasta, todos gravados ou finalizados no local, onde também desenvolve atividades formativas na área do audiovisual, além de exibições na rua para crianças e adolescentes. Atualmente, em conjunto com outros coletivos da região, está na gestação da Escola Popular de Cinema do Capão Redondo, escola de audiovisual autogerida por militantes da região, que veem a importância de estar em todas as partes do ciclo de cinema no brasil, tirando da mão dos que sempre obtiveram os privilégios de propagar suas histórias, reproduzindo a lógica colonial responsável pela escravização indígena e preta no país.

 

Mais sobre o bairro da Cohab Adventista

Memórias do Bairro – Cohab Adventista (direção Anderson “Gsé” Silva)

TV Doc Capão: Entrando na Comunidade na Cohab Adventista

 

Podcast FOME FALA

Sobrevivendo no Inferno, o primeiro episódio da série Fome Fala, já tá disponível! Você consegue ouvir pelo Spotify, SoundCloud ou WhatsApp.

Sinopse:
Dois parsas, separados pela vida, buscam uma forma não convencional de voltar a se encontrar fisicamente. Em um universo paralelo de sonho lúcido e memórias que refletem questões cruciais pra existência da nossa existência, os dois viajam a partir do estômago e nos guiam em um lugar sem tempo pra vigilância ou violência, porque tudo é voltado pra sonhos e fantasia.

Acesse agora:
Spotify
SoundCloud
Pra receber via WhatsApp, dá um salve no número +5511 93022-5571 informando seu nome que a gente manda.

Ficha técnica da série:
Direção: Lincoln Péricles e D’Ogum
Roteiro: D’Ogum, Ronaldo Dimer e Lincoln Péricles
Atores: Adriano Araujo e Jonnas Rosa
Narração: Letícia Maria
Produção: Francineide Bandeira e Lincoln Péricles
Comunicação: Nayê Ribeiro
Desenho de som, trilha sonora e mixagem: Caue Gas
Arte: Leen
Apoio: Ayni Studios e Submarino Fantástico

Ficha técnica do episódio:
Roteiro e direção: Lincoln Péricles
Desenvolvimento de roteiro: D’Ogum, Ronaldo Dimer e Lincoln Péricles
Produção executiva: Kaburé Filmes
Realização: Sesc São Paulo

Lincoln Péricles

Lincoln Péricles nasceu e mora no bairro do Capão Redondo, periferia de São Paulo. É diretor, roteirista, montador e educador, somando mais de doze anos trabalhando com filmes produzidos em sua quebrada, que circularam entre cineclubes e coletivos periféricos, banquinhas de camelô, becos e vielas, e eventualmente em festivais nacionais e internacionais. Em fevereiro de 2020 teve seu trabalho destacado pela Cahiers du Cinéma, considerada a maior publicação de cinema do mundo, que descreve sua obra como "Um cinema longe do imaginário ligado as favelas, que inventa sua própria forma, áspera e necessariamente imperfeita, entre intervenção e arquivo visual do bairro".